Fortaleza, 24 de Julho de 2014

Notícias

Confronto entre Guarda Municipal e professores nesta quarta-feira - SINDIUTE repudia repressão da guarda municipal contra contra professora Júlia diretora do SINDIUTE e aos demais professores

 

Manifestação que era para ser pacífica se tornou "cenário de guerra" 

Entre as várias categorias que foram às ruas nesta quarta-feira (4), está a dos professores que iniciaram um protesto em frente ao Paço Municipal. Os manifestantes tentaram ultrapassar um cordão de isolamento feito pela Guarda Municipal. 

Houve atrito entre as partes. Veja os detalhes: 

Veja o videos da agressão:  http://mais.uol.com.br/view/pj4p9vzv54s1/confronto-entre-guarda-municipal-e-professores-nesta-quartafeira-04020C983264D8815326?types=A

Professores municipais defendem greve geral

Professores da rede municipal de Fortaleza defenderam, ontem, a realização de uma greve geral, caso a Prefeitura não acate as reivindicações da categoria. Durante uma passeata alusiva ao Dia Estadual de Lutas, cerca de 300 docentes votaram simbolicamente a favor da paralisação total. Eles ameaçam não retomar o ano letivo, no próximo mês de julho, se não houver um acordo com o Executivo.

 

No dia 14 de julho próximo, data em que as aulas deverão recomeçar, uma assembleia geral será realizada pelos docentes para definir os rumos da categoria.

 

A manifestação dos professores e a paralisação de motoristas e cobradores de ônibus afetaram o comércio no Centro, na manhã de ontem. Lojistas e vendedores ambulantes reclamaram do pouco fluxo de clientes, que tiveram dificuldades para se deslocar de casa até o local. À tarde, a movimentação normalizou.

 

Na rua Liberato Barroso, já passava das 12h30min e o vendedor ambulante Edson Delgado, 35, não tinha vendido nada.“Está fraco demais, mesmo para um dia do meio da semana. Tem muita gente circulando por aqui, mas a maioria é funcionário das lojas e empresas daqui do Centro. É difícil eles comprarem algo”, reclamou. 

 

Presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves pontua que, com as últimas paralisações de motoristas de trocadores de ônibus e as manifestações regulares, o comércio é, fatalmente, prejudicado, não só no Centro, mas em diversos corredores onde há comércios na Cidade. “Tem um prejuízo grande, com pouca movimentação de clientes e, às vezes, as lojas ficam até mal vistas, porque fecham”, comenta. (Camila Holanda e Thiago Paiva)

 

Serviço

Assembleia geral dos professores

Quando: 14 de julho, às 9 horas.
Onde: Praça José Bonifácio, no cruzamento entre as ruas Floriano Peixoto e Antônio Pompeu, no Centro

DEU NO BLOG DO ELIOMAR

Alô, prefeito RC! Tem paralisação dos professores nesta 4ª feira

alocco

 

Os professores da rede de ensino de Fortaleza vão paralisar as atividades nesta quarta-feira, com direito a passeata. O ato faz parte da campanha salarial da categoria, que cobra o restante do piso salarial – 4,9%, definido pelo MEC, além de reajuste do vale-refeição.

A data coincide com a paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus e também os operários da construção civil.

Emeif. Santa Maria SER 3 já não apresentava nenhuma condições em sua infra-estrutura

fato agravado hoje com o desabamento do portão comprometendo a segurança de alunos e professores.

CUT volta a Brasília para cobrar arquivamento do PL 4330 da terceirização

 

Presidente da Câmara determina prazo de cinco sessões para votar proposta e presidente da CUT reafirma necessidade de discutir proposta. A CUT esteve novamente em Brasília nessas terça (1) e quarta-feiras (2) para acompanhar as sessões da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara e garantir que o Projeto de Lei (PL) 4330/2004, que amplia a terceirização e retira direitos de todos os trabalhadores com carteira assinada, não seja votado.

A ameaça cresceu após o presidente da Câmara, deputado federal Henrique Alves (PMDB-RN), definir o prazo de cinco sessões da CCJC para que os parlamentares votem o parecer do relator, deputado Arthur Maia (PMDB-BA), favorável ao texto. Depois desse prazo, a matéria iria direto ao plenário da Casa.

Com o argumento de regulamentar a terceirização, o PL de autoria do empresário e deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO) apresenta uma série de retrocessos como a permissão para que a empresa terceirize todas as suas atividades. Ao contrário do que ocorre atualmente, quando apenas as funções de apoio, como limpeza e segurança, podem ser terceirizadas.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, destaca que a decisão atropela um acordo entre Henrique Alves e a as centrais de discutir a matéria antes de levar ao plenário e aponta que os trabalhadores querem engavetar esse projeto.

“Queremos que esse texto seja retirado da pauta e constituída uma comissão de negociação direta entre nós e os empresários, que pode até ter a intermediação do governo, mas não pode seguir como está. É preciso que o processo de regulamentação venha sem a faca no peito e sem marcação de votação a cada semana. Sobre esse texto não há acordo”, apontou.

Secretária de Relações de Trabalho da CUT, Maria das Graças Costa, comenta que a Central aproveitará a ocasião para lembrar aos parlamentares qual será o tratamento dado a quem votar contra a classe trabalhadora. “Não vamos baixar as armas enquanto esse PL não for retirado da pauta do Congresso. Manteremos a pressão sobre os deputados, inclusive, lembrando que aqueles que votarem a favor serão amplamente denunciados pelos trabalhadores em 2014, quando haverá eleções”, falou.

Porque lutar contra o Projeto de Lei 4330/2004 – O PL 4330/2004 está pronto para ser votado desde maio, mas manifestações da CUT dentro e fora do Congresso, por todo o país, fizeram com que a definição fosse adiada.

Em junho, uma mesa quadripartite foi constituída por pressão dos trabalhadores. O último encontro ocorreu no dia 2 de setembro e o impasse continuou sobre três pontos: o limite para a contratação de terceirizadas (as centrais sindicais não aceitam a terceirização para todos os setores da empresa), a garantia de organização sindical e a adoção da responsabilidade solidária – aquela em que a contratante assume as pendências deixadas pela terceira.

De acordo com um estudo de 2011 da CUT e do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o trabalhador terceirizado fica 2,6 anos a menos no emprego, tem uma jornada de três horas a mais semanalmente e ganha 27% a menos. A cada 10 acidentes de trabalho, oito ocorrem entre terceirizados.

Por conta desse cenário devastador, além de todas as centrais, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), a maior parte ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e presidentes e corregedores dos tribunais regionais do Trabalho também afirmaram publicamente posição contrária à proposta

CNTE REPUDIA AGRESSÕES DA POLÍCIA MILITAR A PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 3 milhões de profissionais das redes públicas de ensino de educação básica no país, repudia, veementemente, a ação violenta da Polícia Militar do Rio de Janeiro contra professores da rede municipal de ensino, que ocupavam desde a semana passada a Câmara Municipal da cidade em protesto ao projeto de lei que versa sobre o Plano de Cargos e Salários da categoria, proposto pelo Prefeito Eduardo Paes.

CNTE e principais entidades da educação nacional se posicionam contrárias ao leilão de Libra

 

A suspensão do leilão do petróleo no campo de Libra, na Bacia de Santos, tornou-se bandeira compartilhada das principais entidades representativas da educação do Brasil. O PROIFES, Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior; a CNTE, Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação; a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a CONTEE, Confederação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino, protocolaram carta no Palácio do Planalto à presidente Dilma Rousseff que solicita o cancelamento da transação prevista para o próximo dia 21 de outubro.

Em entrevista coletiva nessa quarta-feira, 2/10, CNTE e principais entidades da educação nacional se posicionam contrárias ao leilão de Libra e protocolaram carta no Palácio do Planalto à presidente Dilma Rousseff que solicita o cancelamento da transação.

Uma das maiores descobertas dos últimos 20 anos, Libra é um reservatório com aproximadamente de 1,5 mil quilômetros quadrados com potencial conhecido de no mínimo de dez bilhões de barris. Porém, para as entidades, o atual desafio colocado diante de um volume tão grande de petróleo não é o da exploração aligeirada, mas o de maximizar esse benefício para toda sociedade brasileira.

Não há nenhum dispositivo jurídico ou convenção internacional que obrigue a oferta em leilão. Ao contrário, a Lei 12.351 de 2010, em seu artigo 12º, garante à União entregar um campo diretamente para a Petrobras, a qual assinaria um contrato de partilha com o percentual do "óleo-lucro" a ser remetido para o Fundo Social obtido por definição do governo. Agora, a empresa brasileira concorrerá com outras 10, procedentes da Colômbia, Japão, Índia, Portugal, Malásia, França, três chinesas e uma Anglo-holandesa.

Vale lembrar que os royalties do Petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal estão destinados às áreas da educação e saúde, conforme Lei 12.858, sancionada em setembro deste ano. De acordo com as entidades educacionais representativas, a participação de empresas estrangeiras fere o principio da soberania popular sobre uma importante riqueza natural do Brasil e traz perdas significativas para estas duas áreas, alavancas para o desenvolvimento do país.

Participaram da coletiva de imprensa na sede do PROIFES, os dirigentes do PROIFES, Campanha Nacional pelo Direito à Educação, CNTE e CONTEE.

Nota pública contra agressão da PM a professores no Rio de Janeiro

 

Tomaz SilvaABrFoto: Tomaz Silva/ABrA Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 3 milhões de profissionais das redes públicas de ensino de educação básica no país, repudia, veementemente, a ação violenta da Polícia Militar do Rio de Janeiro contra professores da rede municipal de ensino, que ocupavam desde a semana passada a Câmara Municipal da cidade em protesto ao projeto de lei que versa sobre o Plano de Cargos e Salários da categoria, proposto pelo Prefeito Eduardo Paes.

A CNTE considera legítima a manifestação dos professores cariocas contra as medidas que visam fragilizar os direitos da categoria, e condena toda ação policial em desfavor de movimentos organizados por Sindicatos de Trabalhadores.

O Estado democrático de direito exige respeito às leis e às pessoas que protestam por direitos legítimos. A desocupação violenta por parte da polícia não condiz com o ordenamento constitucional, sendo uma ação ilegítima que feriu direitos individuais e coletivos de professores e do Sindicato da categoria.

Não é tolerável que após anos de luta pela democracia, o Estado e o Município do Rio de Janeiro voltem a tratar a organização da classe trabalhadora como caso de polícia, remontando o fascismo e ditadura que deveriam estar sepultados.

Pela liberdade e autonomia sindicais!

Contra a criminalização dos movimentos sociais e de trabalhadores!

Brasília, 30 de setembro de 2013

Roberto Franklin de Leão
Presidente
CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Clique aqui para acessar a versão em PDF

Interação família-escola em questão

Mais de mil educadores estiveram em Fortaleza para refletir sobre desenvolvimento do estudante

Vindos do Brasil inteiro, aproximadamente 1.200 profissionais estiveram em Fortaleza para a quinta edição do Congresso Nacional de Educadores, promovido pelo Sistema Ari de Sá e realizado no último sábado. A temática escolhida para esta edição foi "Família e escola: juntas para uma educação de resultados".

A programação foi dividida em dois momentos. Pela manhã, houve duas grandes palestras com a presença de todos os inscritos. Doutor em Educação e conferencista desde 1973, o professor Cipriano Luckesi foi o primeiro palestrante e falou sobre o tema "Eficiência e sucesso no ensino: teoria e prática".

Em seguida, foi a vez da mestre em Psicologia Maria Tereza Maldonado falar sobre "Parceria família-escola: a importância dos limites e da educação em valores". Ela é integrante da American Family Therapy Academy e vice-presidente da ONG Cruzada do Menor.

À tarde, os educadores foram separados a partir de cada área de ensino para aprimorar as ações executadas.

O Ensino Infantil foi público-alvo de Selba Muratório Mendes, que expôs sobre a importância da construção do espaço na Educação Infantil.

Os docentes do Ensino Fundamental I foram convidados para a apresentação de Patrícia Brun, em "A produção de texto como prática social".

Já aos de Ensino Fundamental II, foram para a de Marcos Moriggi com o tema: "Competências e habilidades: é possível aplicá-las no Ensino Fundamental?".

Os professores do Ensino Médio participaram de um diálogo com Artur Costa Filho sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Aos gestores foi apresentada uma partilha das experiências de Guto Lopes e Raison Pinheiro com a palestra "A gestão de um modelo educacional sustentável".

Esse Congresso enquadra-se no panorama brasileiro de eventos direcionados à Educação. O próximo organizado pelo Sistema Ari de Sá é o Encontro Regional em Belo Horizonte (MG), no dia 5 de outubro.

A entrada é gratuita e as inscrições estão abertas até o próximo dia 3, podendo ser feitas no site. O encontro é voltado para professores, coordenadores e diretores. 

Fonte: Diário do Nordeste!!!